Blog da Parábola Editorial

multi-frag-letramento-digita-e-tal 

multi-frag-letramento-digita-e-tal

 

Quantas lasquinhas de mundo espalhadas pela rede! Quantos pedacinhos de nada com cara de alguma coisa. Quantas opiniões parciais e frases de efeito que nos dão a sensação de profundidade, mas que, na verdade, não passam de baboseira sem valor. O saber se desintegrou, o mundo se desintegrou: quase tudo virou um monte de fragmentos de todas as coisas que, ao final, são um monte de coisa nenhuma. E daí? E daí os tempos mudaram, as tecnologias mudaram, as formas de acesso ao saber mudaram, mas, as pessoas, muito pouco! Nossa cognição ainda é a mesma, nossos sentimentos e a forma como nos educamos também. Nossos padrões de pensamento e a maneira como construímos nossa visão de mundo é tal qual há vinte ou trinta anos. Ainda precisamos ser civilizados, disciplinados, ensinados a nos concentrar e a compreender os assuntos mais profundos, pois não nascemos sabendo nada disso, mesmo que tenhamos nascido na geração digital. E é aí que entra o perigo da fragmentação: como ajunta um monte de coisas sobre mais um monte de coisas (mesmo que quase sem valor algum) ela nos dá uma falsa sensação de segurança e de saber. Pensamos que sabemos muito e acabamos nos conformando com isso. Mas, na real, não sabemos de quase nada – e nos sentimos satisfeitos assim! Três tuítes e o carinha acha que tirou o ensino médio, mais duas postagens de Facebook já fazem ele acreditar que tem nível superior. Junte mais dois PowerPoints malfeitos sobre livros quaisquer e o sujeito acredita que é mestre e, com mais meia hora de Instagram, se acha doutor – e o pior! –, pronto para opinar sobre tudo! Nada de longas leituras, nada de livros, nada de tratados, nada de ensaios profundos... agora, é a ilusão do multi-frag-letramento-digita-e-tal que manda no mundo! É uma pena! O multiletramento é importante! Mas, acreditar que alimentar a mentesó de lasquinhas de conhecimento é multiletramento é uma enorme ilusão! A consequência dessa ilusão é nos tornamos superficiais e arrogantes! A fragmentação do mundo fez isso conosco. Agora não há mais espaço para sentar-se e ler um grande texto, com todo o seu poder transformador e educativo! Queremos resumos e resenhas, introduções que saltam para as conclusões, e jogamos fora os miolos. Estamos vivendo das cascas das bananas, pois seu conteúdo é sistematicamente desprezado. Temos pressa! Sempre temos pressa! Por isso, não gostamos mais de ler longos textos que nos civilizariam e que nos ensinariam em profundidade, desenvolvendo poderosamente nossa mente! Não queremos mais o pesado e doloroso conhecimento que construiu a ciência e a fé – sim! o conhecimento é doloroso, pois abala as realidades! Esquecemos as longas e sérias conversas, nos perdemos nas palestras, que já não entendemos mais. Não queremos mais os filósofos, os pensadores nem os livros sagrados. Queremos pitadas, lasquinhas, pedacinhos, pequenos bocados fáceis de ingerir e de digerir – mas enganadores!!! Ama mos o s frag men tos! Qu an to m a i s f á c i l m e l h o r! Qu ant o m en or me lh o r! Nos s a ment e st á enfr a q ue c en d... Fr ag me nt o s... p o r fa v o r!! S ó f r @g me n t ... s... s... d e s... co ne x o s ... ----------- 00 00... # v a z i o...

 

658 Acessos
0 comentários

LETRAMENTOS DIGITAIS

LETRAMENTOS DIGITAIS

 

Preciso me preocupar com as novas tecnologias?

 

Você tem dúvidas e se preocupa com as mudanças que os letramentos digitais podem provocar em sua profissão e em sua vida? A seguir, algumas crenças mantidas por professores que ainda se inquietam com as novas tecnologias são analisadas por Gavin Dudeney, Nicky Hockly e Mark Pegrum em seu Letramentos digitais (São Paulo: Parábola Editorial. Trad.: M. Marcionilo, 2016, p. 65-66).

Você se reconhece algumas delas? Venha ver!

Continuar lendo
766 Acessos
0 comentários

Língua portuguesa: tecnologia e ensino

Língua portuguesa: tecnologia e ensino
Do eu lírico à selfie

 

Meu objetivo específico neste pequeno texto é refletir sobre o uso da selfie no ensino da língua portuguesa. Para isso, desenvolvo a seguinte tese:

(1) todos falam de si;

(2) falar de si não é uma atividade superficial;

(3) falar de si ajuda na aprendizagem da língua.

Continuar lendo
7388 Acessos
0 comentários

Aulas de português

Aulas de português

Multimodalidade e "poder semiótico"

 

Para professores e pesquisadores que estão repensando as aulas de português na perspectiva de articular modos de produção de texto e fruição de leitura dos alunos, Textos multimodais precisa ser livro de cabeceira. Nele, Ana Elisa Ribeiro faz uma reflexão informada sobre o ensino da língua materna por meio de textos em que não se excluem, deliberadamente, fotos, ilustrações e gráficos. As investigações teorizam multimodalidade, leitura e infografia, mostrando três “casos com jeito de sugestões”, a saber: uma proposta de atividade de retextualização (do oral para o escrito), testes de escrita e leitura com alunos do 3° ano do ensino médio em duas escolas públicas e o comparativo de produção verbovisual entre uma criança de 8 anos e uma designer profissional. Os relatos das experiências da professora-autora em oito capítulos fazem do livro um retrato de como o ensino desconsidera a inclusão atrativa e interessante dos textos multimodais, que poderiam conectar, e muito, os estudantes às produções de circulação social como mapas, quadros, linhas do tempo, fluxogramas e narrativas.

3416 Acessos
0 comentários

Dez razões para usar as tecnologias digitais em sala de aula

Dez razões para usar as tecnologias digitais em sala de aula

O uso das tecnologias digitais em sala de aula

As tecnologias digitais estão definitivamente integradas em nossas vidas e ninguém mais tem dúvidas da necessidade de sua integração em nossas práticas pedagógicas. No livro Letramentos digitais, Dudeney, Hockly e Pegrum (2016) defendem que professores e alunos necessitam adquirir quatro tipos de letramento digital. O primeiro está relacionado ao uso da linguagem para comunicação, incluindo a utilização de celulares; o segundo visa tanto à busca quanto à filtragem de informação; o terceiro diz respeito às conexões como a participação em redes sociais, entre outros tipos de conexão; e o último inclui o (re-)desenho ou remix, como por exemplo, usar editor de imagens, inserir voz ou legendas em um filme com outro sentido, fazer montagens de textos e imagens etc.

Muitos são os motivos para usarmos as tecnologias digitais em sala de aula e o principal deles, em minha opinião, é o fato de fazerem parte de nossa vida cotidiana, pois os computadores, tabletes e celulares conectados à Internet se tornaram uma extensão de nós mesmos. A sala de aula não pode ignorar esses novos hábitos mediados pela Internet. 

8343 Acessos
0 comentários

Novos letramentos e o impacto das mídias digitais no ensino

Novos letramentos e o impacto das mídias digitais no ensino

Novas práticas de letramentos

Durante as últimas décadas, temos observado desenvolverem-se novas práticas de letramento e novas maneiras de estabelecermos participações sociais, das quais as escolas não podem, não devem ficar de fora.

Chama-nos a atenção o fato de que essas novas construções são desenvolvidas normalmente por jovens, apoiados em ferramentas digitais de edição, pós-produção (de imagem, vídeo e áudio) e por formas de distribuição independente.

Esses jovens, a partir de suas próprias necessidades e objetivos, desenvolvem novas maneiras de criar, distribuir e negociar significados, nas quais se confundem os papéis de leitor, espectador e, de maneira híbrida, constroem produções como as que vemos disseminadas em redes sociais como Facebook, Twitter e YouTube (veja exemplos abaixo).

4069 Acessos
0 comentários

O hábito da leitura na era das novas mídias: e eu pensando que era normal!

O hábito da leitura na era das novas mídias: e eu pensando que era normal!
As novas mídias, cada vez mais presentes no dia a dia, estão interferindo no hábito da leitura?

 

Em meio a tanta tecnologia, fica difícil resistir a algo que se tornou tão útil e de fácil acesso, possibilitando à população uma maior comodidade, como por exemplo, pagar uma conta usando o aparelho celular, quando antes era preciso ir a uma agência bancária. Isso tem se tornado algo muito positivo em razão das inúmeras demandas do nosso cotidiano, quando precisamos dar conta de uma série de atividades (domésticas, profissionais, familiares, acadêmicas e outras). Entretanto, os celulares e as novas mídias podem prejudicar a vida de muitos se não forem usados da forma correta, principalmente no que diz respeito ao hábito da leitura.

 

Vejamos o seguinte exemplo: um adolescente, de apenas 11 anos e que há pouco mais de três meses adotou uma rotina bem diferente. Menino de base familiar média, sempre teve acesso a tudo, inclusive a dispositivos tecnológicos. Meios de comunicação, como smartphone, tablet e computador, não saíam de suas mãos.

 

4391 Acessos
0 comentários

Novas mídias ganham estudos no mercado editorial impresso

Novas mídias ganham estudos no mercado editorial impresso
O catálogo da Parábola Editorial e as novas mídias

 

Não sei se você concorda, mas parece haver uma contradição gritando no título acima: a expressão “novas mídias” atrelada ao adjetivo “impresso” [em papel]… típico de nosso mercado editorial.

 

Mas a contradição é só aparente. O mercado editorial em peso tem realmente investido milhares de toneladas de papel e de quilos de tinta para tratar das novas mídias, das novas tecnologias, das redes sociais, do que podemos fazer com elas, por elas, para onde nossos caminhos dão sinais de ir.

 

2755 Acessos
0 comentários

Como as novas mídias estão influenciando a produção de texto

Como as novas mídias estão influenciando a produção de texto

O impacto das novas mídias nos textos produzidos dentro e fora das salas de aulaProduzir textos é atividade diária para muitas pessoas. Se pensarmos nas práticas escolares, visualizaremos as aulas de produção textual, as discussões sobre gêneros discursivos e, quem sabe, as tarefas ligadas a qualquer disciplina. A produção de texto, obviamente, não é exclusividade da Língua Portuguesa. No entanto, se ampliarmos as lentes e pensarmos em nosso dia a dia, no qual as novas mídias estão onipresentes, veremos quanto texto escrevemos e fazemos circular, nos dias de hoje. Novas mídias mesmo?

O que vimos chamando de “novas mídias” já soa até um pouco anacrônico. Computadores e internet já fizeram aniversário de vinte anos, o que, em termos de tecnologias digitais, é pré-história. Tudo acontece muito rápido nessa seara e podemos dizer, então, que essa novidade já é bem relativa.No entanto, embora a cultura digital já seja amplamente conhecida, a despeito da desigualdade de acessos e educação digital, podemos dizer que muita novidade surge a cada momento. O WhatsApp, por exemplo, é bem mais recente do que os sites e blogs, convenhamos.Nesse sentido, ele é “novidade”, embora esteja aí entre nós desde sua fundação, em 2009, e seu boom, em 2012. É jovem, mas é intensamente utilizado por milhares de pessoas, de todas as idades. Pois bem: circulam ali textos escritos e falados, fotos, vídeos e emoticons.E quanta coisa mudou! As alterações vão do famoso e temido “internetês”, que simplifica e compacta palavras e frases, conforme a necessidade, à possibilidade de gravar áudio ou de enviar vídeos feitos com o próprio celular.

TemoresHouve um momento dessas transformações ligadas às tecnologias digitais, ou novas mídias, em que muitas pessoas estiveram horrorizadas com o “internetês”, por exemplo. E talvez isso ainda aconteça. Será que esse jeito maluco de escrever vai nos fazer desaprender a escrita “padrão”? Havia até os arautos do apocalipse: “a língua portuguesa vai se corromper e morrer”. Mas sabemos que não é o que acontece, de maneira geral. O importante é saber variar (e salve Marcos Bagno!).Seguinte: meu filho de 12 anos, por exemplo, me mostrou um texto interessante no Facebook e eu pedi que ele me “marcasse”. Ele escreveu uma mensagem assim: “Pra vc, mãe”. Lindo, não? E eu, professora de português, estava bem ali, olhando tudo, atrás dos ombros dele. Quando ele percebeu, virou-se para mim e disse: “Olha, mãe, aqui pode”. E eu me dei por satisfeitíssima. Sim, ali, pode. Se ele sabe essa diferença e se pode modular sua expressão escrita conforme a circunstância, posso ir dormir tranquila.Mudanças e novas roupagensMuita coisa mudou na produção de textos em termos de práticas e tecnologias, desde os anos 1990. Saímos da máquina de datilografar e nos mudamos, de mala e cuia, para o teclado do computador. Mas isso não quis dizer um rompimento 100%.Os teclados de computador (desktop ou móvel), por mais que estejam associados às “novas mídias”, são herdeiros diretos das máquinas. Olhe aí o teclado do seu smartphone. Mesmo que ele seja touchscreen, se começar com as teclinhas QWERTY, é parente direto daquela velha máquina mecânica que seu pai (ou avô) tinha.Nas minhas aulas da Redação para o Ensino Médio e mesmo para primeiros períodos do ensino superior, costumo me esbaldar no uso de editores de texto em nuvem, como aquele conhecido como Google Docs. É que acho que ele facilita muito o acompanhamento do processo de escrita dos meus alunos. Mas tenho colegas que acham o contrário, afinal a gente trabalha muito mais, rastreando as edições que os escreventes fazem em seus textos ainda em progresso. Bom, o fato é que mudou e não mudou com as “novas mídias”. Escrever bem continua dependendo de habilidades que aprendemos e desenvolvemos aqui entre nossos neurônios. As práticas, técnicas, facilidades ou dificuldades é que se alteraram conforme vamos aderindo ao uso de novas máquinas e plataformas. A circulação dos textos se ampliou, assim como as possibilidades de produzirmos textos multimodais apenas com alguns cliques em certas teclas. Mais fácil. E mais difícil. Lidar com esta profusão de textualidades exige bastante dos nossos letramentos. Mas é isso. Não tem volta. 

4225 Acessos
0 comentários

Gêneros digitais por quem é autoridade no assunto: uma abordagem bakhtiniana

Gêneros digitais por quem é autoridade no assunto: uma abordagem bakhtiniana
Como identificar os gêneros digitais?

 

Podemos caracterizar os enunciados que circulam em mídia digital (acarretando novos letramentos) como gêneros? Essa é a pergunta que Roxane Rojo direciona a nós, tendo como enfoque os gêneros digitais. A autora divide a discussão sobre gêneros em dois tipos: gêneros de texto e gêneros de discurso.

 

Pensando na abordagem bakhtiniana, podemos aplicar esse método sociológico de análise quando tratamos de tecnologias digitais. Essa técnica de análise pode ser empregada no estudo do discurso online, da multimodalidade digital e dos formatos de hipertexto, multimídia e hipermídia, por exemplo.

 

Continuar lendo
8009 Acessos
0 comentários

10 motivos para estudar a linguagem online

10 motivos para estudar a linguagem online
Embora a pesquisa online focada na linguagem tenha gradualmente ganhado força, ainda há muitas questões não exploradas

 

A internet e as novas mídias que surgem a partir dela produziram mudanças na linguagem e em seu uso de um modo sem precedentes. Atividades cotidianas passam a se mover mais rapidamente, novas mídias fornecem diferentes relações entre pessoas e tecnologias.

 

David Barton e Carmen Lee apresentam dez razões para estudar a linguagem online e compreender a linguagem:

 

Continuar lendo
2478 Acessos
0 comentários

CURSOS DE LINGUÍSTICA ONLINE GRATUITOS

CURSOS DE LINGUÍSTICA ONLINE GRATUITOS

Compilamos para você 6 instituições que oferecem cursos online gratuitos na área de letras/linguística. Confira:

 1.  USP Curso Libras EaD

Foi desenvolvida uma série de videoaulas para a disciplina, coordenada pelo Prof. Dr. Felipe Venâncio Barbosa, do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. A disciplina está divida em duas partes, todas produzidas pelo grupo de Mídias Digitais da Pró-Reitoria de Graduação. A primeira, com o conteúdo teórico de dez videoaulas, apresenta os panoramas histórico, social e pedagógico do desenvolvimento da língua de sinais, mais especificamente, da Língua Brasileira de Sinais (Libras). E a segunda é composta de aulas práticas, nas quais os alunos se familiarizam com os principais vocabulários e expressões da Libras de uma maneira inovadora por meio de uma websérie de ficção totalmente sinalizada em Libras.

As videoaulas estão disponíveis para todos. Sem necessidades de logins, cadastros nem número USP! 

CLIQUE PARA ACESSAR

Deguste nossas publicações na área de LIBRAS(Para ler o sumário e um trecho das obras, basta clicar sobre a capa do livro e você será direcionado à página de degustação.)

Continuar lendo
10112 Acessos
0 comentários

MULTILETRAMENTOS NA ESCOLA

MULTILETRAMENTOS NA ESCOLA

Letramentos multimodais na escola

Multimodal Literacies in the School

Hércules Tolêdo Corrêa

Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto - Minas Gerais / Brasil. Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012. 264 p. (Estratégias de Ensino, 29).

Continuar lendo
2385 Acessos
0 comentários
logo_rodape.png
Blog da Parábola Editorial
Todos os Direitos Reservados

Entre em contato

RUA DR. MÁRIO VICENTE, 394 IPIRANGA | 04270-000 | SÃO PAULO, SP
PABX: [11] 5061-9262 | 5061-8075
Sistemas Web em São Paulo

Search