Blog da Parábola Editorial

Produção textual na universidade

capa-blog

 

O livro Produção textual na universidade, publicado em 2010, pela Parábola Editorial, nasceu no primeiro curso de “Redação Acadêmica” que ministrei, em 1994, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), sobre princípios básicos de leitura e escritura no contexto universitário.

Ao longo de 25 anos, o curso original transformou-se em seminários, minicursos e palestras, recebendo alunos e audiências de áreas tão diferentes – jornalismo, geografia, educação, agronomia, além de literatura e linguística, estimulando minha investigação sobre como cada campo de conhecimento concebe a comunicação escrita. As descrições detalhadas de cada aula viraram o livro didático Redação acadêmica: princípios básicos (UFSM), com informações e dados de pesquisa sobre produção textual em diferentes culturas disciplinares. As aulas foram sendo refeitas e reorganizadas com base na experiência amealhada a cada edição do curso, tanto na UFSM como em outras instituições, e também com base na investigação sobre discurso acadêmico, realizada por Graciela Rabuske Hendges, minha coautora, e por mim, há mais de duas décadas, no Grupo de Pesquisa “Linguagem como Prática Social”.

Portanto, Produção textual na universidade resulta da atividade em ensino e investigação sobre o contexto (atividades sociais escritas, papéis e relações sociais entre leitores e escritores) e o texto (conteúdo, estilo e forma) de gêneros acadêmicos centrais para o debate da ciência. Este volume mantém quase o mesmo formato do material original, com a maravilhosa programação visual do João Luiz Roth, que entendeu a proposta pedagógica dos primeiros materiais didáticos. Além disso, a participação de Graciela foi fundamental para qualificar e incrementar os capítulos com dados atualizados de pesquisa sobre o discurso da ciência em diferentes áreas. Nossos exemplos ilustrativos permitem comparações entre exemplares do mesmo gênero acadêmico, em várias disciplinas, para que os leitores se sintam representados e convidados a buscar problemas e temas relevantes, revisar discussões atuais, refletir sobre conceitos em voga em seus próprios campos do conhecimento.

Sempre tomei por referência os desafios do meu próprio percurso de aprendizagem de escrita na vida – tenho 60 anos – e especialmente na ciência – 35 anos como docente na universidade. Também observei os desafios enfrentados por alunos e as diversas estratégias para vencê-los. Quis fazer um livro didático que não fosse uma preleção sobre “como se deve fazer”, mas antes um estímulo para escritores menos experientes questionarem e investigarem, buscarem informação sobre o modo como as pessoas interagem sendo leitores e escritores em sua disciplina específica, para atuarem cada vez mais centralmente, por meio da produção textual, na rede de produção de conhecimento acadêmico.

Para escrever, precisamos entender o contexto ou as circunstâncias que demandem a nossa resposta escrita; portanto, o objetivo do livro é descrever alguns princípios básicos e circunstâncias recorrentes que dão forma às situações que demandem a interação escrita na universidade. O Capítulo 1, “Publique ou pereça”, descreve práticas sociais da comunidade científica que afetam diretamente a escritura no sistema universitário brasileiro, como a demanda de produtividade, os sistemas de avaliação de publicações e projetos de investigação. Tentamos induzir o leitor a refletir sobre o significado de se tornar membro da academia, segundo a crença de que “para mudar o sistema, é preciso conhecê-lo e participar dele” (p. 13). Neste capítulo introdutório, chamamos a atenção para a importância do ciclo “escrever, revisar, editar e reescrever”.

Nos sete capítulos restantes, discutimos quatro gêneros acadêmicos importantes com exemplos ilustrativos de linguagem para explicitar a “engenharia” textual e o modo como algumas expressões estabelecem coesão e coerência, bem como permitir a interação entre escritor e leitor. O gênero “Resenha” (Capítulo 2) é importante em disciplinas das Ciências Humanas e Sociais, pois serve para avaliar a produção intelectual recente na forma de livro publicado, apontando algumas características gerais da progressão retórica do texto, como a apresentação do volume resenhado, sua avaliação ou a recomendação final para que se leia ou não.

O Capítulo 3 explica que qualquer proposta de estudo inovadora depende da escritura de um “Projeto de pesquisa”, que demonstre conhecimento dos estudos em andamento nos grupos de pesquisa significativos na área, dos temas, problemas e metodologias de pesquisa relevantes e atuais.

As partes e respectivas funções do artigo científico/acadêmico, produção central na construção da ciência por apresentar resultados obtidos em projetos de pesquisa, são detalhadas nos Capítulos 4 a 7. O Capítulo 4 (“Introdução”) dá dicas sobre como apresentar o estudo de forma a captar o interesse do leitor. O Capítulo 5 orienta sobre como revisar a literatura da área de conhecimento para situar a pesquisa e “delimitar os estudos seminais para o desenvolvimento do nosso trabalho” (p. 90). O Capítulo 6 (“Metodologia”) nos ajuda a descrever ações, participantes, instrumentos, métodos e procedimentos de geração, análise e interpretação de dados de pesquisa. O Capítulo 7 guia a descrição da análise e interpretação dos dados gerados pela pesquisa, na forma de discussão, “mais do que um sumário de resultados” (p. 126), com avaliação da descoberta, comparação com a literatura da área, generalização possível sobre o fenômeno estudado e conclusão.

O Capítulo 8 apresenta o Resumo acadêmico ou Abstract como “um texto que encapsula a essência do artigo” (p.152) para “sumarizar, indicar e predizer, em um parágrafo curto, o conteúdo e a estrutura do texto integral” (p. 152) do artigo, buscando ainda persuadir o leitor a ler o texto integral.

Enfim, espero que o conjunto de explanações, exemplos e propostas de exercícios em cada capítulo apoie estudantes de graduação e pós-graduação no seu devir de escritores participativos na produção de conhecimento em suas respectivas áreas!

Um abraço

 

Santa Maria, 13/06/2019

 

ESQUEÇA A “LÓGICA” DA LÍNGUA!
Curso de Linguística Geral

Posts Relacionados

 

Comentários

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Login Aqui
Visitantes
Sábado, 21 Setembro 2019
logo_rodape.png
Blog da Parábola Editorial
Todos os Direitos Reservados

Entre em contato

RUA DR. MÁRIO VICENTE, 394 IPIRANGA | 04270-000 | SÃO PAULO, SP
PABX: [11] 5061-9262 | 5061-8075
Sistemas Web em São Paulo

Search