Blog da Parábola Editorial

Blog da Parábola Editorial

Francisco Eduardo Vieira é professor do Departamento de Língua Portuguesa e Linguística e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal da Paraíba, onde orienta trabalhos de graduação, mestrado e doutorado em Historiografia da Linguística e Linguística Aplicada. É líder do grupo de pesquisa “HGEL – Historiografia,...

Francisco Eduardo Vieira é professor do Departamento de Língua Portuguesa e Linguística e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal da Paraíba, onde orienta trabalhos de graduação, mestrado e doutorado em Historiografia da Linguística e Linguística Aplicada. É líder do grupo de pesquisa “HGEL – Historiografia, Gramática e Ensino de Línguas” (UFPB/CNPq). Suas obras pela Parábola Editorial são:

▪ Escrever na universidade 1 – Fundamentos, em coautoria com Carlos Alberto Faraco (2019);

▪ A gramática tradicional: história crítica (2018);

▪ Gramáticas brasileiras: com a palavra, os leitores – coletânea organizada com Carlos Alberto Faraco (2016).

Mais

Cinco diretrizes para ensinar os alunos a escrever

Sem-Ttulo-3

 

Francisco Eduardo Vieira (UFPB/PROLING/HGEL)

                  

         Do ensino fundamental ao universitário, todo/a professor/a de português busca aprimorar o domínio da escrita de seus alunos por meio das mais diferentes práticas de análise e produção de textos.

         As estratégias pedagógicas dos docentes costumam ser variadas, atendendo a uma gama também diversa de fatores como, por exemplo, o nível de letramento dos estudantes, os objetivos dos planos de aula e de curso, o gênero textual abordado e a relação com os outros eixos do ensino-aprendizagem de língua portuguesa – leitura, oralidade, gramática e literatura.

Continuar lendo
  2011 Acessos
  0 comentários
2011 Acessos
0 comentários

Português brasileiro e gramáticas

Português brasileiro e gramáticas

 

Uma palavra sobre mudança linguística

 

É indiscutível que as línguas mudam com o tempo. E a gente não precisa ser linguista pra perceber isso. Basta prestar atenção no modo como falam as pessoas de gerações anteriores ou ler um texto escrito em outra época, como uma notícia de jornal de cem anos atrás, um romance de Machado de Assis, a Carta de Pero Vaz de Caminha ou outra qualquer. O contato com registros passados de fala e escrita faz com que saltem aos ouvidos e olhos da gente construções linguísticas não mais usuais, itens lexicais que se perderam com o tempo e convenções de escrita já suplantadas. Além disso, a fala de pessoas mais jovens, com suas gírias e aspectos sintáticos particulares, também estampa esse incontornável movimento de mudança das línguas.

 

Continuar lendo
  3608 Acessos
  0 comentários
3608 Acessos
0 comentários
logo_rodape.png
Blog da Parábola Editorial
Todos os Direitos Reservados

Entre em contato

RUA DR. MÁRIO VICENTE, 394 IPIRANGA | 04270-000 | SÃO PAULO, SP
PABX: [11] 5061-9262 | 5061-8075
Sistemas Web em São Paulo

Search