Blog da Parábola Editorial

O mundo na sala de aula

o-mundo-na-sala-de-aula

Intertextualidade nos anos finais do ensino fundamental

 

 

 

O livro nos propõe debruçar-nos sobre a leitura “como objeto de estudo” para o atendimento de algumas questões teóricas como: 

 

“O que se pretende com a exploração de textos na sala de aula?”

 

“Como melhorar o desempenho do aluno-leitor proporcionando ao professor-mediador ferramentas adequadas a uma abordagem de texto mais proficiente?”.

 

Segundo Maria Sílvia Gonçalves, a autora de O mundo na sala de aula, a leitura é o passaporte para a transformação social: ela é instrumento de conscientização, pois incide sobre a produção cultural, tornando-se uma forma de aproximação entre os indivíduos e essa produção, capacitando-os à crítica e à apropriação do conhecimento. 

 

Maria Sílvia parte do princípio de que o trabalho com a intertextualidade é potencializador da leitura, tornando-a mais proficiente, uma vez que “os textos produzidos em nosso mundo cultural também dialogam entre si, quer pela voz de seus locutores, quer pela voz de seus leitores” (p. 52). A construção dos sentidos advém de uma atividade inferencial, “possível graças às experiências e conhecimentos compartilhados por uma coletividade” (p. 49). 

 

O objetivo da obra é “chegar a uma proposta alternativa de abordagem do texto que conduza a uma leitura escolar mais significativa, justamente por ser intertextual” (p. 22). Dessa forma, no decorrer do livro, são elaboradas considerações sobre como vêm sendo conduzidas as atividades com textos na sala de aula, momento em que se propõe uma “melhora qualitativa na abordagem textual por meio de atividades inferenciais em que se estabeleçam relações, desenvolvam-se raciocínios e deduções” (p. 8).

 

“os textos produzidos em nosso mundo cultural também dialogam entre si, quer pela voz de seus locutores, quer pela voz de seus leitores”

 

Com o intuito de chegar ao seu objetivo, Maria Silvia Gonçalves apresenta a configuração das relações leitor-texto para justificar o nível de exigência requisitado do aluno, considerando-se seu estágio de desenvolvimento cognitivo e a linguagem como sistema simbólico interativo e mediador na relação do sujeito-objeto: a autora delineia o perfil do leitor em formação levando em conta o aspecto cognitivo, os aspectos físico-emocionais e os aspectos social, profissional e cultural.

 

Nesse percurso, ela reforça a importância do desenvolvimento de um trabalho humanista na escola, baseado na ética, na integridade, na valorização do estudo e na responsabilidade do indivíduo em formação, trabalho que parta do fato de a escola oferecer ao jovem em formação um “modelo de ser humano a partir do qual (ou contra o qual) a subjetividade do aluno vai se formar” (p. 43), pois, muito “além da preocupação em formar um leitor competente, estamos falando em formar cidadãos dignos, justos, corretos, honestos, solidários e éticos” (p. 43).

 

O livro ainda traz um capítulo (capítulo IV) todo dedicado a traçar teoricamente uma trajetória da intertextualidade e de conceitos afins (como a interdiscursividade), desde que esta expressão foi utilizada pela primeira vez na década de 1960, até a descrição de seu conceito nos campos da literatura, da estética, da linguística textual, da análise do discurso, por meio dos escritos de pesquisadores como Gérard Genette, por exemplo.

 

A obra está teoricamente embasada em pesquisadores como VygotskyBakhtinMarcuschi, Maria Thereza Rocco, Manguel, Roxane Rojo, Genette, Irene MachadoFoucambert, Edgar Morin, entre outros, e a autora estabelece conexões com os campos da linguística textual, da análise do discurso, da teoria da complexidade, com os estudos sobre o dialogismo, os gêneros e, finalmente, com a interdisciplinaridade, cujas relações com a leitura intertextual “foram apontadas como alternativas para a formação de um leitor-cidadão crítico e consciente, que seja ciente de sua realidade e capacitado para o enfrentamento das situações-problema” (p. 9).

 

Considerando-se que há algum tempo a intertextualidade vem sendo o tema de diversos estudos sobre o trabalho com textos e sobre a sua importância para a leitura proficiente, a relevância da obra recai sobre sua organização didática e sua linguagem mais simples para professores que ainda não tenham tido contato com o tema, assim como pelo capítulo com sugestões de sequências didáticas que podem servir como encaminhamentos, pontos de partida e de reflexão para o trabalho com textos, mas que necessariamente têm de ser adaptadas ao imediato contexto de trabalho em sala de aula, visto que, conforme a perspectiva preconizada pela autora, o livro busca dialogar com os profissionais de ensino que pretendam atuar como professores-mediadores, como agentes de cultura.

 

 

COMO E POR QUE AS LÍNGUAS MUDAM?
Artigo de opinião

Posts Relacionados

 

Comentários

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Já Registrado? Login Aqui
Visitantes
Quinta, 20 Setembro 2018
Se você quer se registrar, por favor preencha os campos de nome de usuário, senha e nome.
logo_rodape.png
Blog da Parábola Editorial
Todos os Direitos Reservados

Entre em contato

RUA DR. MÁRIO VICENTE, 394 IPIRANGA | 04270-000 | SÃO PAULO, SP
PABX: [11] 5061-9262 | 5061-8075
Sistemas Web em São Paulo

Search