Blog da Parábola Editorial

Blog da Parábola Editorial

Francisco Jardes Nobre de Araújo é Doutor e mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC); especialista em Literatura e Formação do Leitor e graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); professor efetivo da Seduc, lotado na Escola de Ensino Médio Coronel Virgílio Távora, em Quixadá (CE), onde leciona Língua...

Francisco Jardes Nobre de Araújo é Doutor e mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC); especialista em Literatura e Formação do Leitor e graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); professor efetivo da Seduc, lotado na Escola de Ensino Médio Coronel Virgílio Távora, em Quixadá (CE), onde leciona Língua Portuguesa; membro do Sociolin (Grupo de Estudos Sociolinguísticos, da Universidade Federal do Ceará); tem experiência em ensino de Língua Portuguesa na Educação Básica (Ensino Fundamental II e Ensino Médio), tanto na rede pública, quanto na rede privada, e no ensino de disciplinas da área da Linguística (Fonética e Fonologia, Morfologia, Morfossintaxe, Sintaxe, Semântica, Latim, Filologia e Sociolinguística) tanto na graduação em Letras, quanto em cursos de Especialização em Língua Portuguesa; desenvolve pesquisas na área da Sociolinguística, com foco na variação linguística, especialmente de pronomes pessoais; também se interessa pela gramaticalização, tendo realizado pesquisas sobre o fenômeno em algumas formas linguísticas do português; tem curso de Língua Inglesa e conhecimento de algumas línguas indo-europeias (espanhol, italiano, francês, alemão, sueco, polonês), adquirido por autodidatismo. É escritor de prosa, com três livros publicados (com o nome Jards Nobre): "Curral de Pedras" [ABC Editora, 2009 - romance]; "Pássaros sem canção" [Corsário, 2013 - romance; Drago Editorial, 2017] e "Mata branca" [Cia. do eBook/Habemus Livros, 2017].

Mais

Sobre o exigente ofício de formar leitores

leitores2

Causou polêmica nas redes sociais a recente declaração de um famoso youtuber brasileiro sobre a inadequação das obras literárias nacionais canônicas aos estudantes de ensino médio. A meu ver, o problema está na generalização que se faz sobre o adolescente de hoje. 

Comecei a estudar aos 5,5 anos de idade na escolinha do povoado em que eu morava, perdido no meio do semiárido cearense. Era uma escolinha muito pobre, apenas com três salas de aula e uma área aberta para brincar. Não tinha biblioteca, assim como não se encontrava um só livro literário em minha casa. Meus pais, agricultores com ginasial incompleto, nunca tiveram o hábito de ler. 

No entanto, fui uma criança que leu bastante literatura. Na época, quando eu cursava a 4ª série do 1º grau, havia um programa de incentivo à leitura, patrocinado por uma fundação famosa em parceria com os governos estaduais. Nesse programa, era distribuída às escolas uma coleção de livros infantise infanto-juvenis que ficavam expostos em um mostruário afixado na parede da sala de aula. O aluno podia escolher um livro, levá-lo para casa e devolvê-lo quando terminasse de ler. Periodicamente, o mostruário era substituído por outro, com novos títulos. 

Não me recordo de nenhuma das professoras incentivando a leitura, ou realizando projetos de leitura daqueles livros. Eles simplesmente ficavam lá, dentro do mostruário de plástico para quem os quisesse ler. E a simples presença deles na sala de aula era, para mim, o bastante. Havia propagandas na TV divulgando as obras, como se fossem trailers dos livros, e isso me aguçava muito a curiosidade. Foi naqueles tempos que entrei em contato, através dos livros, com Marina Colasanti, Viriato Correia e Jorge Amado, entre muitos outros autores consagrados.

Quando cursava o 1º grau maior, estava no auge da popularidade a série Vaga-Lume, com os eletrizantes romances infanto-juvenis escritos por Marcos Rey, Lúcia Machado de Almeida, Maria José Dupré, Orígenes Lessa, Homero Homem... Por esse tempo, eu já escrevia pequenas histórias e alimentava o sonho de me tornar escritor um dia. Não havia, porém, esses livros na escola em que eu estudava. Tomei conhecimento deles através de meu irmão mais velho, que estudava na cidade, em uma escola que exigia a leitura daquelas obras. Fiquei com os livros do meu irmão depois que ele os leu. Ele me incentivou a lê-los.  

Continuar lendo
  3322 Acessos
  0 comentários
3322 Acessos
0 comentários

POR QUE DIZEMOS “DESINFETAR”, MAS DIZEMOS “INFECTAR”?

Untitled-design---2020-07-13T141905.737

Alta frequência de uso e mudança fonética

 

Jards Nobre

       Se desinfetar é um verbo derivado formado por prefixação, o verbo primitivo deveria ser infetar (que, aliás, existe, mas como uma variante menos usada, tanto no Brasil quanto em Portugal). Ou o contrário: se o verbo primitivo é infectar, o derivado deveria ser desinfectar (que os dicionários brasileiros não registram, mas os portugueses sim).

O que ocorre é que desinfetar é de uso mais frequente do que infectar. Enquanto este está normalmente restrito ao contexto da medicina ou da informática, aquele é de uso mais popular, tanto que existe, no português brasileiro, o emprego desse verbo como uma gíria para “abandonar algum lugar”. Quem nunca ouviu: “Desinfeta daqui!”? Além disso, desinfetante, derivado de desinfetar, é um termo bastante popular, mesmo que grande parte da população brasileira não tenha acesso ao necessário produto para combater o coronavírus.

Continuar lendo
  1562 Acessos
  0 comentários
1562 Acessos
0 comentários

A DEPRECIAÇÃO DO GÊNERO FEMININO

unnamed-2

Francisco Jardes Nobre de Araújo

 

Não é nenhuma novidade que termos usados sem nenhum valor depreciativo na designação de homens adquirem frequentemente sentido negativo referindo-se a mulheres. Basta pensarmos no emblemático par rapaz/rapariga no português de algumas áreas do Brasil para ilustrarmos o fato. Mas os exemplos não param por aí, nem o fenômeno é exclusivo da língua portuguesa, como já ouvi sugerirem alguns estudantes de inglês, que alegam ser esta língua “menos machista”, apoiando-se na ausência de flexão de gênero nos nomes ingleses.

Quem não é do Norte nem do Nordeste do Brasil talvez não saiba que rapariga, feminino derivacional de rapaz, converteu-se hoje em um insulto à mulher. É sinônimo de prostituta, meretriz, puta. Aliás, puta também passou pelo mesmo processo: cogita-se que o termo venha do latim vulgar putta, feminino de puttus, que significava simplesmente “rapazinho” e era cognato de puer, “menino”, tirado da raiz indo-europeia *pewH-, donde também saiu purus, “puro”. O masculino puto ainda é usado em Portugal com o sentido original (isto é, “menino”).

Outros correspondentes femininos de termos masculinos têm notadamente uma conotação negativa, geralmente associada à prostituição, como cortesã (no masculino, significa simplesmente “homem da corte” ou, até mesmo, “homem afável”), rameira (o masculino designa o homem que “arremata aos contratadores determinados ramos de um contrato”, segundo o Aurélio) e mulher da vida. Quando não é à prostituição, é à promiscuidade que se associam certos termos femininos: galinha, loba, vaca... Chamar um homem de touro é um elogio! Se cavalo e cachorro designam um homem, respectivamente, grosso e desleal, égua e cadela desqualificam completamente uma mulher. O que dizer do outro correspondente masculino de égua, que é garanhão? Vagabundo é homem desocupado, desempregado, malandro, mas vagabunda é uma mulher promíscua. Também se nota uma distinção de valor entre governante e governanta: enquanto o masculino designa o homem que governa, o feminino designa a mulher que administra a casa de outrem, uma subordinada. Enquanto patrono só contém sentidos honrosos, matrona adquiriu o sentido também de “mulher madura e corpulenta”.

Continuar lendo
  2430 Acessos
  0 comentários
2430 Acessos
0 comentários

O MACHISMO NA LINGUAGEM

capa-blog-dia-12-05

Francisco Jardes Nobre de Araújo

 

Num mundo dominado por homens, a mulher é tratada como um ser diferenciado, que merece uma designação especial. Enquanto a expressão “o homem” pode equivaler a “o ser humano”, como na frase “O homem é mortal”, a expressão “a mulher” só se refere aos seres humanos do gênero feminino.  Ou seja, na mentalidade androcêntrica, o conceito de “homem” se confunde com o de “ser humano”, enquanto o de “mulher” não, e a primeira imagem de ser humano ou de qualquer outro animal que vem à cabeça é a de um espécime macho.

Desde as línguas mais antigas da grande família linguística indo-europeia, a mulher sempre recebeu uma denominação à parte, o que não aconteceria se ela fosse vista em pé de igualdade com os homens.

O substantivo latino homo designava tanto o ser humano em geral, quanto o ser humano do sexo masculino, que também podia ser designado por vir (daí viril), enquanto o ser humano do sexo feminino era femina.  Homo, em sua forma acusativa hominem, passou às línguas românicas homme (francês), home (galego, catalão), hombre (espanhol), uomo (italiano), om (romeno) etc. conservando a duplicidade semântica. Se a designação do ser humano do sexo masculino se faz por um termo pan-românico nas diferentes línguas românicas (embora a palavra romena om seja rara hoje com esse sentido), a do ser humano do sexo feminino se dá por substantivos de diversos étimos latinos: é femme em francês, donna em italiano, mujer em espanhol, mulher em português, femeie em romeno, dona em catalão etc.  O mesmo se dá nas línguas germânicas. O termo germânico para “homem” (mann) existe em todas as línguas da família (é Mann em alemão e em norueguês, mand em dinamarquês, man em inglês, sueco e holandês), mas essas línguas têm termos de origens diferentes para “mulher”: woman em inglês, Frau em alemão, kvinna em sueco etc.

Continuar lendo
  6009 Acessos
  1 comentário
Comentários Recentes neste post
Visitantes — Marlon Oliveira
Olá! Muito ótimo o seu post. Super interesanate. Sou estudante de letras (8°), amante da linguística e AD. Eu sempre disse aos m... Leia Mais
Quarta, 13 Mai 2020 14:57
6009 Acessos
1 comentário
logo_rodape.png
Blog da Parábola Editorial
Todos os Direitos Reservados

Entre em contato

RUA DR. MÁRIO VICENTE, 394 IPIRANGA | 04270-000 | SÃO PAULO, SP
PABX: [11] 5061-9262 | 5061-8075
Sistemas Web em São Paulo

Search